//Talento feminino na Sapecada da Serra Catarinense

Talento feminino na Sapecada da Serra Catarinense

A história da Sapecada da Serra Catarinense começou há 18 anos. Antes, havia a Sapecada Regional. Assim, vão-se mais 23 anos de artistas locais ganhando espaço na Festa do Pinhão. Mesmo assim, raras foram as vezes que mulheres participaram. Mas, na noite de ontem, três intérpretes e duas instrumentistas estiveram em um dos palcos mais disputados da Festa Nacional do Pinhão. Elas estão, aos poucos, conquistando espaço em um meio que há anos é protagonizado por homens.

Cris Chardozino, que defendeu duas canções no festival, conta que há três anos tenta uma vaga na Sapecada da Serra Catarinense. “É uma grande felicidade fazer parte desse festival. Estamos demonstrando que também temos muito talento e mostramos a nossa arte contribuindo para a cultura da Serra”.

O mundo está mudando e ver tantas mulheres na Sapecada é o reflexo dessa mudança. Essa é a fala de Camila Alexandre, que pela primeira vez participa do evento. “Poder subir ao palco da Sapecada defendendo uma música que fala do lugar onde nasci e onde amo viver, além de poder dividir o palco com tantos músicos incríveis é muito bom, mas é, também, uma grande responsabilidade. Estou orgulhosa por ser mulher e estar aqui.”

Quem participa desde 2012, e que provavelmente é a intérprete mais conhecida do festival é Zetti Gaudéria. Ela reflete sobre a participação da mulher e afirma que falta acreditarem mais no potencial feminino e escreverem letras pensando nessas vozes. “Fico muito feliz por ver tantas mulheres nesse palco, é gratificante vê-las perdendo o medo e algumas dizendo que se espelham em mim. Acreditaram em mim um dia, e podem acreditar nelas também.”

Um dos participantes de maior tradição no palco da Sapecada da Serra Catarinense, o músico Daniel Silva, confirma a importância da participação das mulheres na arte nativista. “Há anos queremos colocar por terra a teoria de que a música nativista é machista. Elas precisam acreditar mais em si mesmas e continuar provando que há espaço para todos.”

Além das três intérpretes citadas aqui, duas violinistas também fizeram parte da história dessa edição: Daniele Porto e Simone Chiomento. A Sapecada da Canção Nativa também terá a participação de algumas artistas.

18ª edição

A Sapecada da Serra Catarinense já revelou inúmeros artistas, além de ser um espaço destinado para aqueles que vivem em Santa Catarina e amam a cultura gaúcha, que é tão importante para a história do Sul do Brasil. Muitos trabalham o ano inteiro para conquistar uma das 16 vagas.

Os três primeiros lugares, além da música mais popular participam, automaticamente, da final da Sapecada da Canção Nativa, que reúne os melhores artistas do estilo, nacionais e internacionais, e que acontece amanhã à noite.

 

Por Ciça Ferreira – Fotos: Ciça Ferreira